ESC 2013: Comentários à segunda semifinal



A segunda semifinal virada do avesso...


       E ontem realizou-se a tão aguardada segunda semifinal do Festival Eurovisão da Canção 2013. Uma gala surpreendente e muito superior à primeira. Muitos consideravam, antes da realização, que as músicas da segunda semifinal, no seu conjunto, eram as mais fracas da competição; no entanto foi aqui que nos foi dado as melhores atuações. 
       O Eurofestival começou ontem com a "Urban Orchestra", coreografada por Jennie Widegren e Fredrik Rydman: muito enérgica e que deu ainda maior vida ao concurso. É claro que não se pode comparar este opening act ao de Loreen, na primeira semifinal, mas foram bons para o papel que desempenhavam ali.
       É também de saudar a apresentadora. Desde que me lembro, Petra Mede é a melhor apresentadora da Eurovisão. Consegue pôr o público entusiasmado, cativa imenso e dá um ambiente ao festival de superioridade, elegância e grandiosidade. O único ponto negativo a reter é mesmo um dos vestidos que a mesma usou ontem (uma possível candidata ao Barbara Dex, caso competisse?).
       Também devo realçar a conversa que a apresentadora teve com a Lys Assia. Tratando-a por "Madame", demonstrou total respeito por a personalidade mais importante do mundo eurovisivo. E a bem prestigiada Lys Assia mostrou que ainda tem idade para estas festanças e que não deixa que a sua fraca saúde a impeça de ver ao vivo o seu maior amor: a Eurovisão.


       O sketch com a presença de Lynda Woodruff continuou na mesma linha do da primeira semifinal: sempre muito divertidos. O de ontem foi uma passagem de Copenhaga para Malmo. Mas, mesmo que não fosse nada de especial a produção do mesmo, bastava pôr Lynda num deles que aquilo fica logo engraçado. Ela, de facto, é uma pessoa encantadora.
       Também é de aplaudir os intervals acts, vindos dos Swedish Pop Voices (Agnes e Darin). Os dois cantores fizeram-se ver que são dignos de atuações na Eurovisão. Estiveram modernos e justificaram a sua internacionalização dignamente. Não é por acaso que são dos jovens cantores mais bem sucedidos da Suécia. Porém, se tivesse que escolher uma atuação, de um ou de outro, diria que Darin esteve bastante melhor que Agnes - deu  mais movimento, mais alegria e mais simpatia. 





       A Letónia iniciou a competição de ontem e ofereceu aos telespectadores a melhor abertura de um festival. Apesar de ser um programa de televisão, o certame deve animar as pessoas que vão assisti-lo ao vivo. Muitas atuações, mesmo que sejam boas em televisão, pecam por não fazerem nenhuma interacção com o público que os vê ao vivo. E os PeR fizeram isso muito bem! Tornaram uma música medíocre em algo bastante cool! Eu até queria juntar-me a eles no palco!


       Pretendia não falar de São Marino nos próximos dias. Estou de luto e bastante indignado. "Crisalide" era uma das minhas favoritas. Aliada a uma boa música, o país tinha uma das melhores intérpretes do ano. De facto, não gostaria de me sentir a Valentina neste momento, porque o sentimento de ter fracassado duas vezes deve ser imenso. Se São Marino não passa com isto, então não passa com mais nada. Mesmo assim, apelo à continuação da sua participação, porque é mais importante festejar a união da música do que dar importância a meros resultados, penso eu. Como última nota, tenho de sublinhar que os planos de câmara tiveram muito mal feitos e, após o primeiro refrão, tudo pareceu muito forçado. Talvez estas razões todas sejam as responsáveis pela permanência de São Marino na semifinal. 


      Ainda mais chocado fiquei com a não-passagem da Macedónia. Eu não era, e nem sou, fã da música, mas Lozano e Esma estiveram muito bem em palco - ele com a sua postura digna e com uma voz singular, e Esma com a sua irreverência e alegria. Durante a atuação olhei para Esma como uma mãe carinhosa que cuida incansavelmente os seus filhos. Senti-me como se fosse um filho dela. Senti-me como se tivesse oito anos. Olhei, depois de tanto tempo, para o festival com olhos ingénuos - era tão bom quando eu o via com estes olhos, onde tudo parecia inocente e grandioso. Uma das melhores da noite.


       O Azerbaijão não brinca em serviço. Talvez tenha sido a melhor proposta do país desde que participa. Farid canta muito bem, teve garra para as câmaras e aquela teatralidade com a sombra que se encontrava dentro das paredes de vidro foi bem feito. Quase perto da perfeição. Talvez seja a performance mais conseguida deste ano. Vejo-o no top5, mas não a ganhar. O Azerbaijão não irá ganhar tão cedo devido aos elevados custos de 2012, à vitória polémica de Ell & Nikki e às confusões da inexistência de direitos humanos. É demasiado arriscado insistir no mesmo assunto.


       A Krista conseguiu tornar uma coisa burlesca em algo muito sério. Tornou "Marry Me" em algo relativamente bom, apesar da fraca qualidade musical. A atuação esteve perfeita, muito animada e expectável. Foi um bom momento de televisão. Só me apetecia bater o pé e casar-me com ela. Em relação ao beijo lésbico, acho que ficou bem inserido e foi uma valente chapada à Turquia. Só faz falta quem está! Sempre ouvi dizer isso...


       A Malta deu-nos um momento soft. A atuação, a voz do cantor e a sua simpatia para com as câmaras tornaram "Tomorrow" tolerável. A atuação em si foi mesmo muito fofinha. Mas, após duas atuações desta, já me tinha esquecido de Gianluca e só me voltei a lembrar dele quando o vi na recap. Não sei como isto passou! Isto não se distinguiu do resto!. Ajudinha dos júris? Provavelmente, como já é habitual. Os júris devem ter uma paixão platónica pela Maltinha. No entanto há que salientar o cenário do palco: muito bom!


        Eu não gosto nada desta dupla. Não tenho nada contra eles e respeito-os imenso como artistas, mas aquele 6º lugar de 2007 ainda me está atravessado. No entanto, ontem poria a Bulgária na final. A atuação foi a mais dinâmica em palco e a dupla Elitsa & Stoyan foram um arraso com os tambores (porém, isto já foi visto 1405840838098 vezes na Eurovisão). A voz de Elitsa teve algumas falhas, mas nada de preocupante. E houve muitos mais gemidos que letra.


       E o Rui Bandeira islandês calou muitas más línguas. Até a mim me calou! Não dava nada por esta música e Eythor teve irrepreensível. Causou-me arrepios! O trabalho de câmaras foi genial, dos melhores da noite de ontem, a emoção com que o cantor nos brindou foi completamente um arraso e todo o ambiente foi perfeito. Talvez tivesse sido um sentimento do momento, talvez não resulte tão bem na final, mas o islandês esteve muito bem e mereceu totalmente a passagem!


      Tenho de dizer que considero a música grega como uma das piores deste ano. Mas ontem eu desfrutei o momento e adorei a atuação! Dinamismo e alegria foram o que um dos países do Sul da Europa nos ofereceu! A banda não parou em palco, foi de um lado para o outro e não mostrou qualquer cansaço, e Agathonas manteu a sua postura. O momento com as luzes nas guitarras foi magnífico!


       E outra injustiçada da noite! Mas como é que isto não passou à final? Algo se passa com a Europa. Surdez? Talvez. Não percebo como Israel, que tinha bons resultados no concurso, nos últimos anos tem sido um desastre. E este ano tinham tudo para ficar no top10! Moran Mazor tem das melhores vozes dos últimos anos, e a atuação foi muito forte e intensa. Não tenho nenhum defeito a apontar. Perfeito! 


       Apesar de muitos acharem a voz do vocalista dos Dorians irritante, eu adoro-a e acho-a muito comercial. O cenário vermelho esteve bem enquadrado e a banda fez o que pode com a música que tinha em mãos. O fogo utilizado deu mais vida a uma música sem vida. "Lonely Planet" só passou por ser da Arménia. Pôr na final uma Arménia e deixar de fora uma Macedónia, São Marino ou Israel é completamente asfixiante.


       E o prémio do mais aborrecido da noite de ontem vai para... Bye Alex! Para mim, foi o pior da noite e pareceu muito pouco profissional em palco. Antes de começar a cantar, notou-se que o intérprete encontrava-se tenso e começou muito a seco. Depois, com o desenrolar da canção, lá se foi safando. Não sei como é que isto passou. Estou completamente indignado. É que não há um ponto na atuação que a favoreça: é aborrecida do início ao fim!


       E a minha rainha foi fantástica! Muitos criticam a qualidade vocal de Berger, no entanto ela quase nunca desafinou. E não desafinar numa música tão dificil como esta faz dela uma grande cantora! A par disto, esteve super sedutora com as câmaras e a beleza da mesma é completamente arrepiante. Esteve ontem tudo perfeito e a minha Maggiezinha mostrou o porquê de ser uma das favoritas. Se "I Feed You My Love" ganhasse a Eurovisão, saberia que teria ganho a música com mais qualidade. 


        Quando a música é medíocre, o que se deve fazer? Encher o palco com fogo! Mas parece que não resultou. As vozes dos intérpretes não me agradam: um tem a voz muito grave e outro muito esganiçada. O momento da explosão de fogo na guitarra foi fascinante. No entanto, quando a música já é má, nada mais se podia fazer. Foi um belo momento de pirotecnia e de televisão, sem dúvida.


      Esta dupla é muito bonita, tanto fisicamente como em palco. O cenário estava lindo, a cascata de fogo deu imensa intensidade à atuação e a coreografia, apesar de forçada, deu um bom momento televisivo. No entanto, as vozes não estavam bem enquadradas. Quando explodem os jactos de fumo, a voz de Nodi sobrepôs-se à de Sophie, com o instrumental demasiado baixo. Além disso, ela fartou-se de desafinar quando o abraçou. Apesar destas falhas vocais, foi das performances com mais intensidade da noite e mereceu a passagem!


       Ainda bem que não passou! Não é que os Takasa tivessem sido maus ontem, mas isto é coisa que se apresente ao maior e melhor festival de música do mundo? A atuação não teve um ponto forte e não se distinguiu de todas as outras, mesmo que tenha sido uma das últimas da noite. Foi pena eles não terem usado as indumentárias da final suíça e de terem alterado o nome, que lhes dava uma identidade. Notou-se perfeitamente que eles estavam deslocados dos restantes artistas da semifinal. 


       Esta música mete-me muito medo! E as expressões do cantor, com aquela indumentária, ainda mais. Mas não posso negar que Cesar fez um bom trabalho e mereceu a passagem. A performance dos bailarinos deu intensidade e a voz do intérprete esteve perfeita. Passou à final por ser a Roménia, por ter uma voz singular e por ter fortes elementos cénicos. Parabéns, Roménia! Bom trabalho! 


       O momento que todos mais esperavam tinha chegado: os resultados! Como na primeira semifinal, notou-se que a organização fez de propósito por revelar o finalista que mais surpresa daria aos fãs logo ao início - Hungria! No final, no apuramento do 10º finalista, criou-se um bom momento de entretenimento: São Marino, Grécia, Macedónia e Israel. As mais prováveis à passagem. Mas só uma é que teria o direito de ir à final.
       Além disso, é de notar que 5, em 7, países que ficaram na semifinal cantaram noutra língua que não o Inglês. Não é que isto tenha directamente alguma coisa a ver, no entanto é demasiado angustiante ver imensas músicas em inglês na final. Será que vale a pena bater no mesmo ceguinho e continuar a levar a língua nativa e arriscar-se a ficar na final? Também na primeira semifinal 4, em 6, países retidos levavam outra língua. Isto é realmente muito estranho...
       É importante salientar que o único país da ex-URSS a ficar na semifinal foi a Letónia. Todos os países da ex-Jugoslávia foram eliminados. E na final haverá uma luta acesa entre os países da ex-URSS e os nórdicos... Quem vencerá a luta? Novamente os nórdicos? Se calhar são eles que estão a tomar conta do certame, ao contrário do que muitas pessoas dizem.
       De um modo geral, os resultados foram profundamente injustos - porque São Marino, Macedónia e Israel tinham propostas melhores que uma Arménia, Hungria ou até mesmo Roménia. No entanto, nenhum artista teve medíocre. Aliás considero que esta foi uma das melhores semifinais que vi.



Imagens: Eurovision.tv/Vídeo: Youtube
17/05/2013

6 comentários:

  1. Ganham os nórdicos! :D

    ResponderEliminar
  2. Adorei os comentários!

    ResponderEliminar
  3. Só mesmo a apontar uma coisa que fica mal dizer é que a suiça estava desencontrada e que aquilo não é coisa que se apresente em palco. ( Ok sei que são opiniões de cada um e respeito). Mas em 2004,2006,2011 levamos músicas bem piores que estas; e mesmo o pior é que portugal nem lá está por isso tiveram mérito.

    Ass: ''Aspas'' ''Aspas''

    ResponderEliminar
  4. Já agora, uma pequena correcção, em 2007, a Bulgária ficou em 5º, não em 6º. :)

    ResponderEliminar
  5. Espero que o autor deste artigo não tenha ouvido os comentários que Sílvia Alberto teceu acerca da cantora da Noruega, senão vai declarar-lhe guerra. XD
    Israel devia ter passado. A Europa anda a ficar anti-semítica.

    ResponderEliminar


Não é permitido:

. Publicar comentários de teor comercial ou enviar spam;

. Publicar ou divulgar conteúdo pornográfico;

. O uso de linguagem ofensiva ou racista, ou a publicação de conteúdo calunioso, abusivo, fraudulento ou que invada a privacidade de outrem;

. Desrespeitar o trabalho realizado pelos colaboradores do presente blogue ou os comentários de outros utilizadores do mesmo - por tal subentende-se, criticar destrutivamente ou satirizar as publicações;

. Divulgar informações sobre atividades ilegais ou que incitem o crime.

Reserva-se o direito de não serem publicados comentários que desrespeitem estas regras.

Com tecnologia do Blogger.