Featured Slide

5/slideshow/custom

Roménia: conheça os resultados da 5ª semifinal

por fevereiro 18, 2018


Na quinta semifinal da Selecția Națională, seleção romena, atuaram 12 concorrentes mas apenas 3 passaram à final.

A última semifinal decorreu no dia 18 de fevereiro, em Sighișoara. Conheça os resultados, de seguida.




Semifinal 5 (os finalistas a negrito):

1º Lugar: The Humans – "Goodbye" (58 pontos)
2º Lugar: Teodora Dinu – "Fly" (50 pontos)
3º Lugar: Dora Gaitanovici – "Fără tine" (42 pontos)
4º Lugar: Sergiu Bolota – "Every little thing" (28 pontos)
5º Lugar: Denisa Trofim – "Tears" (28 pontos)
6º Lugar: Iliana – "I won’t lie" (21 pontos)
7º Lugar: Manuel Chivari – "Somebody to love" (20 pontos)
8º Lugar: Alexandru Ungureanu – "Sail with me" (17 pontos)
9º Lugar: SAVE – "All we need" (14 pontos)
10º Lugar: Evermorph – "Live your life" (9 pontos)
11º Lugar: Maria Suciu – "Sweet nothing" (2 pontos)
12º Lugar: Tomher Cohen – "Baby you’re the only one" (1 ponto)

A Roménia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 1994 e o seu melhor resultado é um terceiro lugar por duas vezes: em 2005, com Luminita Anghel e a canção "Let Me Try", e em 2010, com Paula Seling & Ovi e a canção "Playing With Fire”. Em 2017 o país foi representado por Ilinca feat. Alex Florea e a canção “Yodel It!”, alcançando o 7.º lugar na final com um total 282 pontos.

Fonte: eurovision.tv

Montenegro: “Inje” permanece na língua nativa para o ESC 2018

por fevereiro 18, 2018

Vanja Radovanović confirmou que "Inje", canção vencedora do Montevizija, seleção nacional, irá permanecer em montenegrino para o Festival Eurovisão da Canção 2018.

O participante do Montenegro confirmou à imprensa local que não mudará a língua da sua canção "Inje". Em declarações ao Cafe del Montenegro, Vanja comentou: “Nós também apresentamos o idioma, não apenas a música. É mais natural. A música não é um livro, tu não precisas de traduzi-lo para entender.”

Vanja também agradeceu ao público por selecioná-lo como representante do Montenegro no Festival Eurovisão Canção, sendo o décimo participante do país no certame.



Veja a atuação de Vanja Radovanović no Montevizija: [AQUI]

O Montenegro estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2007 e o seu melhor resultado é um décimo terceiro lugar na final de 2015, com Knez e a canção “Adio”, e um total de 44 pontos. Em 2017, o país foi representado por Slavko Kalezić e a canção “Space”, alcançando o 16.º lugar na primeira semifinal com um total de 56 pontos.

Fonte/Imagem: Eurovoix/Vídeo: Eurovision

Geórgia: apresentação do título da canção representante

por fevereiro 18, 2018

"Sheni Gulistvis" é a canção que irá representar a Geórgia no Festival Eurovisão da Canção 2018.

O título da canção georgiana, que será interpretada pelo grupo Iriao, foi revelado pela estação televisiva GPB e a versão final foi gravada esta sexta-feira. A música é composta por Davit Malazonia, o arranjo musical é de Mikheil Mdinaradze e a letra foi escrita por Irina Sanikidze.

A música será apresentada no mês de março, juntamente com o vídeo oficial, que será dirigido por Zaza Orashvili.

Relembre a última participação da Geórgia no concurso:






A Geórgia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2007 e o seu melhor resultado é um nono lugar por duas vezes: em 2010, com Sopho Nizharadze e a canção “Shine”, e em 2011, com Eldrine e a canção “One More Day”. Em 2017 o país foi representado por Tamara Gachechiladze e a canção "Keep the Faith", alcançando o 11º lugar na primeira semifinal com um total de 99 pontos.

Fonte/Imagem: Eurovoix/Vídeo: Eurovision

[ESPECIAL]: o CE esteve na Conferência Internacional Eurovisions

por fevereiro 18, 2018

No dia 17 de fevereiro de 2018, realizou-se a Conferência Internacional Eurovisions – Perspectives from the Social Sciencies, Humanities and Arts, e o Crónicas de Eurofestivais esteve lá!

A conferência, que resulta de uma parceria entre o Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança da Universidade Nova de Lisboa e a OGAE Portugal, pretendia mobilizar o meio académico nacional e internacional para a reflexão transdisciplinar sobre dois dos maiores eventos musicais e televisivos em Portugal e na Europa – o Festival RTP da Canção e o Festival Eurovisão da Canção. 

A conferência abriu com a introdução e boas vindas do representante da FCSH, e pela representante do INET. Após isso, houve uma breve explicação do que consiste e da importância das OGAES, quer a OGAE Portugal representado pelo seu presidente José Garcia, e da OGAE Internacional, Simon Bennett (via Skype). 





A primeira sessão “Many goals and one Euro-Vision – Conflicting interests in Europe’s biggest TV show” com Irving Wolther, da Universidade de Hannover e jornalista, contou um pouco da história da Eurovisão e da maneira como funciona a organização deste evento. A segunda sessão “Bem Bom! As Doce e a invenção da Pop televisiva”, recebeu Marcos Cardão, do Centro de Estudos Comparatistas da Universidade de Lisboa, que neste momento está a estudar precisamente as Doce e a criação do Pop na televisão.

Ainda, houve tempo para debater o seguinte tema: “Portugal meu jardim: Portugal e a Portugalidade no Festival RTP da Canção” com Sofia Vieira Lopes, (INET-md, FCSH, Universidade Nova de Lisboa), que apresentou o seu estudo sobre a Portugalidade e a reação perante as vitórias portuguesas recentes a nível do Desporto e da música. E, também, “Vocês amam sempre assim em Portugal?” com Jorge Mangorrinha, da Universidade Lusófona, participante como Letrista da música “Um Fado em Viena” no Festival da Canção 2015, onde falou sobre vários debates que participou junto com a organização do Festival da Canção e sobre a remodelação do mesmo logo após a edição de 2015.

Antes da pausa para almoço ocorreu uma das sessões mais esperadas do dia, esta mesmo com Gonçalo Madaíl. No seu entender, os portugueses não tem noção do que é acolher um evento desta dimensão e o que consiste, e apenas os fãs tem esse conhecimento. Revela que teremos das melhores forças de segurança dos últimos anos "parece que temos uma CIA a trabalhar connosco", revela também que a EBU está satisfeita com o trabalho da RTP até ao momento. E ainda confidencia que em algumas reuniões feitas até agora com as emissoras dos outros países, que se nota o receio de alguns países em ganhar a Eurovisão, por não possuírem condições de organizar um evento desta dimensão.

Após o almoço, ocorreu a primeira Mesa Redonda “Os Festivais da Canção em Portugal ao longo do tempo” que contou com as presenças de  Nuno Galopim como moderador, Pedro Moreira, Eládio Clímaco, Tozé Brito, João Ricardo Pinto. Pedro Moreira explicou a história e as funções do centro de preparação de artistas e da importância da radio para com os artistas na industria da música, no iniciar do Festival da Canção. Tozé Brito contou como foi a entrada de Portugal na Eurovisão e a atribulada criação do Festival da Canção, comenta as suas participações e das músicas que participaram nesses anos. Eládio Clímaco confessou algumas das suas tantas histórias como apresentador quer no Festival da Canção quer como na Eurovisão. Nuno Galopim deixou “uma achega” ao que o Gonçalo Madaíl falou na quinta sessão, mencionando o maior responsável por esta reformulação no Festival da Canção, Nuno Artur Silva, Administrador da RTP, que tomou a decisão de olhar para o Festival com uma perspetiva diferente.

Por fim, ainda aconteceu uma segunda Mesa Redonda “Os Bastidores e o Festival como forma de divulgação musical”, que contou com Isabel Campelo como moderadora, Jorge Costa Pinto, João Carlos Callixto, Salomé Andrade. 

Como breve curiosidade, no terminar da sessão, Tozé Brito explicou que os jurados em 2017, após refletirem qual a música deveria representar Portugal na Eurovisão e concluírem que deveria ser “Amar Pelos Dois” a representar Portugal, decidiram então colocar os adversários diretos do Salvador um pouco mais para baixo nas suas votações para que o mesmo pudesse ter hipóteses de ganhar.

Haverá uma segunda conferência em maio. Estas conferências pretendem ser um importante ponto de encontro para a reflexão, análise crítica e discussão acerca destes fenómenos televisivos e musicais, que têm sido reflexo da história da construção europeia.


Veja o vídeo e as imagens que se seguem.









Letónia: conheça os resultados da 3ª semifinal do Supernova

por fevereiro 17, 2018

Lauris Valters e Laura Rizzotto foram os apurados da 3ª semifinal do Supernova 2018, seleção nacional letã.

Sete participantes atuaram na terceira semifinal do Supernova 2018, mas apenas dois se qualificaram para a final, que acontece a 24 de fevereiro. Os três artistas foram escolhidos pelo público e júri.



Os finalistas foram (aparecem a negrito):

Jenny May - "Soledad"
Ed Rallidae - "What I Had with You"
Katrine Lukins - "Running Red Lights"
Lauris Valters - "Lovers Bliss"
MIONIA - "You"
Kris & Oz - "Morning Flight"
Laura Rizzotto - "Funny Girl"

A Letónia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2000 e já ganhou uma vez: em 2002, com Marie N e a canção “I Wanna”. Em 2017 o país foi representado pelos Triana Park e a canção "Line", alcançando o 18º lugar na primeira semifinal com um total de 21 pontos.

Fonte/Imagem: eurovision.tv

Islândia: conheça os resultados da segunda semifinal do Söngvakeppnin 2018

por fevereiro 17, 2018

Aron Hannes, Áttan e Rakel Pálsdóttir foram os apurados na 2ª semifinal do Söngvakeppnin 2018, seleção nacional islandesa.

Seis participantes atuaram na segunda semifinal do Söngvakeppnin 2018, mas apenas três se qualificaram para a final, que acontece a 3 de março. Os três artistas foram escolhidos totalmente pelo público.



Os finalistas foram (aparecem a negrito):

Aron Hannes - "Golddigger"
Áttan - "Hér með þér"
Dagur Sigurðsson - "Í stormi"
Stefanía, Agnes & Regína - "Svaka stuð"
Þórir & Gyða - "Brosa"
Rakel Pálsdóttir - "Óskin mín"

A Islândia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 1986 e o seu melhor resultado é um segundo lugar por duas vezes: em 1999, com Selma e a canção “All Out of Luck”, e em 2009, com Yohanna e a canção “Is It True?”. Em 2017 o país foi representado por Svala e a canção “Paper”, alcançando o 15º lugar na primeira semifinal com um total de 60 pontos.

Fonte/Imagem: eurovision.tv
Com tecnologia do Blogger.